domingo, 14 de dezembro de 2008

O Extremismo de meu Ser


Mal a máscara da realidade é desfeita, eu embarco nestas realidades. Os meus egos desfragmentam-se continuamente, favorecendo, exaltando todo o meu ser, transportando-me a topos nunca vistos. Este extremismo de meu ser, é aquilo que me mantém vivo, o imaginário que eu vivo e transporto para o real. Não sou louco, sou deveras lúcido, reles são aqueles que se limitam à sua obsessão taxionómica. Dimensões épicas, heróicas, de amor e ódio.
Utopias criadas, falhadas poderão ser, mas utopias serão. Utopias reconhecidas por uma minoria, pelo meu "eu" simplesmente. Estes mundos, onde os meus corpos ausentes deambulam (alter-egos) são um simples traço de minha histeria, tal como o traço de Fernando Pessoa na sua criação heteronómica. Dimensões nunca irão cessar, uma epopeia ainda em narração.
Ilustração de Tiago Araújo

1 comentário:

"Ritinha" disse...

adorei. nao tenho tido vontade de postar... :x

talvez pq as aulas acabaram x)

continua a escrever :D sou uma visitante habitual :)

vais ao piolho hj?
bjinho**